Postado em 27 de Outubro de 2015 às 14h44

Empresas Brasileiras participam da FIHAV 2015

Empresas brasileiras dos setores de Casa e Construção; Alimentos e Bebidas; Higiene e Cosméticos; Máquinas e Equipamentos vão participar, de 2 a 7 de novembro, da Feira Internacional de Havana (FIHAV), em Cuba. O Pavilhão do Brasil será organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos e terá a presença de 45 empresas.

Em reuniões de negócios com compradores cubanos, as empresas vão negociar produtos como carne congelada, balas, doces, biscoitos e lácteos; máquinas e equipamentos para agricultura e construção civil; móveis e acabamentos, e insumos para construção civil. Também estão na lista produtos de higiene e cosméticos, como xampus, condicionadores, cremes, entre outros.

Feira comercial de maior importância em Cuba, a FIHAV é um importante meio de entrada para produtos e serviços brasileiros no mercado. A Apex-Brasil organiza a participação de empresas brasileiras desde 2003. Em 2014, as 45 empresas participantes alcançaram o volume de US$ 120 milhões entre negócios imediatos e ao longo dos doze meses seguintes, resultado das 624 reuniões realizadas com compradores cubanos.

Mercado

O Brasil é hoje o quinto maior fornecedor de produtos para Cuba, sendo superado por Venezuela, China, Espanha e Antilhas Holandesas. Em 2014, o PIB cubano foi o maior de toda a América Central e Caribe (exceto o território estadunidense de Porto Rico): US$ 82,9 bilhões. Cuba é o primeiro destino das exportações brasileiras nessa região.

Em 2014, a corrente de comércio entre Brasil e Cuba totalizou US$ 568,8 milhões. O valor exportado pelo Brasil para a ilha chegou a U$S$ 507,8 milhões e as importações brasileiras de produtos cubanos totalizaram US$ 61,1 milhões, com um saldo comercial favorável ao Brasil, de US$ 446,7 milhoes.
Entre os produtos exportados pelo Brasil para Cuba em 2014, merecem destaque: óleo de soja refinado; arroz; farelo de soja; milho; carne de frango in natura; café cru; higiene pessoal e cosméticos; máquinas e aparelhos de uso agrícola, exceto trator; carne de boi industrializada; e calçados. Em conjunto, sua participação na pauta exportadora brasileira para a ilha chega a 70,7%.

Por outro lado, as importações brasileiras de Cuba constituíram-se basicamente de produtos farmacêuticos em 2014. Sua representatividade na pauta chegou a 96,3%.

  • SCL Consultoria e Negócios Internacionais -

Veja também

China deve crescer 7,6% em 2013, diz relatório do governo26/12/13 SÃO PAULO - A economia chinesa deve crescer 7,6% em 2013, ligeiramente abaixo dos 7,7% registrados em 2012, de acordo com relatório do Conselho de Estado do país divulgado pela agência de notícias oficial Xinhua. O documento se refere à avaliação do 12º plano quinquenal do país, relativo ao intervalo 2011-2015 e foi apresentado pelo Gabinete na......

Voltar para Blog (en)