Postado em 14 de Julho de 2014 às 13h31

EXPORTAÇÃO AOS PAÍSES ÁRABES CRESCEU 5% EM JUNHO

SCL Consultoria e Negócios Internacionais Novo Conteúdo 01 Vendas à região avançaram pela primeira vez no ano e renderam mais de US$ 1 bilhão. Desempenho foi influenciado pelo açúcar, minério de...

Vendas à região avançaram pela primeira vez no ano e renderam mais de US$ 1 bilhão. Desempenho foi influenciado pelo açúcar, minério de ferro e produtos químicos.

As exportações brasileiras aos países árabes renderam mais de US$ 1 bilhão em junho, um aumento de 5,36% em comparação com o mesmo mês do ano passado, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) compilados pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira. Foi o primeiro mês de 2014 em que houve crescimento das vendas para a região.

O desempenho foi influenciado principalmente pelos embarques de açúcar, que somaram US$ 372 milhões, um avanço de 26,2% em relação a junho de 2013. Em volume, as exportações aumentaram ainda mais, 36%, e ficaram em 857 mil toneladas, Ou seja, isso indica que houve de fato aumento de demanda, e não apenas de preço.

Para o diretor-geral da Câmara Árabe, Michel Alaby, ocrescimento da importação de açúcar reflete a formação de estoques para o período do Ramadã, que este ano começou no final de junho. Durante o mês do calendário islâmico, os fiéis jejuam do nascer ao por do sol, mas é comum a realização de refeições coletivas e o consumo de doces à noite.

Depois do açúcar, os principais produtos comprados pelos árabes do Brasil em junho foram as carnes de frango e bovina. Houve, no entanto, recuo de 19,4% nas vendas destes itens, que ficaram em US$ 305 milhões.

O Brasil tem enfrentado problemas para exportar carnes para alguns países árabes. No caso da carne bovina, mercados como a Arábia Saudita e outros da região do Golfo mantém embargo ao produto brasileiro desde que o governo anunciou, em dezembro de 2012, que um animal do rebanho paranaense morto em 2010 tinha o agente causador do chamado mal da vaca louca, mas que não chegou a desenvolver a doença.

A Organização Internacional de Saúde Animal (OIE) manteve a classificação do Brasil como de risco insignificante para a ocorrência da encefalopatia espongiforme bovina.

Este ano ocorreu outro caso em Mato Grosso, também considerado “atípico” como o primeiro, pois não o animal não desenvolveu a doença, mas o Egito, principal comprador de carne brasileira entre os árabes, suspendeu as importações do estado.

Além disso, nações árabes têm recorrido a outros fornecedores em busca de preços mais baixos, como os praticados pela Índia. A Austrália também vende muita carne à região.

Outro item importante da pauta cujas exportações aumentaram foi o minério de ferro. Foi embarcado o equivalente a US$ 162 milhões, um crescimento de 5,27% sobre junho do ano passado.

Avanço importante ocorreu também nas vendas de produtos químicos, principalmente de alumina calcinada, que somaram US$ 54 milhões, 621% a mais do que em junho de 2013.

No caso do minério, houve aumento das exportações para Omã, onde a companhia Vale tem uma usina de pelotização, um armazém e um terminal marítimo.

“Outros países estão demandando mais minério, que vai via Omã”, observou Alaby. Para ele, a demanda por insumos como minério de ferro e alumina demonstra aquecimento da indústria da região, que é produtora de aço e alumínio.

Destinos

Entre os países, os Emirados Árabes Unidos passaram a Arábia Saudita em junho como principal destino dos produtos brasileiros, exatamente por causa das compras de açúcar e alumina. Os embarques para lá renderam US$ 264 milhões, um crescimento de 76% em relação ao mesmo mês do ano passado.

A Arábia Saudita importou o equivalente a US$ 189 milhões, um avanço de 3,8% na mesma comparação. As vendas ao Egito recuaram 23% e ficaram em US$ 128 milhões. Para Omã, houve acréscimo de 107% e as exportações somaram US$ 97,4 milhões. Já a Argélia reduziu suas compras em 21% para US$ 94 milhões.

As importações brasileiras de produtos árabes também aumentaram. As compras somaram US$ 1,13 bilhão, um avanço de 51% em comparação com junho do ano passado. O desempenho foi influenciado principalmente por petróleo e derivados.

Semestre

O desempenho das exportações em junho não foi suficiente para reverter o quadro de queda no acumulado do primeiro semestre. Os embarques aos árabes renderam US$ 6,082 bilhões de janeiro a junho, uma redução de 7,31% em relação ao mesmo período de 2013.

Na avaliação de Alaby, o crescimento ou não das vendas à região nos próximos meses vai depender muito do desenrolar das negociações para suspensão dos embargos à carne. Ele acredita, porém, que a partir de agosto é possível algum aquecimento nos embarques de alimentos em geral em face da necessidade de reposição dos estoques após o Ramadã.

Na seara das importações, os negócios dos países árabes com o Brasil somaram US$ 5,55 bilhões no primeiro semestre, uma queda de 2,53% em comparação com os seis primeiros meses do ano passado.

fonte: http:// www.anba.com.br

Veja também

OMC desbloqueia Rodada de Doha na conferência de Bali09/12/13 Bangcoc - A Organização Mundial do Comércio (OMC) conseguiu desbloquear a Rodada de Doha, paralisada desde 2008, com um acordo alcançado neste sábado na ilha de Bali, na Indonésia, que vai permitir avanços na liberalização do comércio internacional. 'Desta vez houve consenso entre todos os membros', anunciou o diretor-geral da OMC, o......
Secex revisa antidumping a importações de eletrodos07/04/14 Por Luci Ribeiro A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Secex/MDIC) decidiu iniciar revisão de direito antidumping aplicado às importações......

Voltar para Blog (en)