Postado em 21 de Janeiro de 2014 às 17h06

Exportação de produtos orgânicos chegou a 130 milhões de dólares

SCL Consultoria e Negócios Internacionais Novo Conteúdo 01 Crescimento mundial foi em torno de 10% Foto: Ilustração Estima-se que o mercado global dessa categoria de produtos - que não recebem tratamentos ou componentes...

Crescimento mundial foi em torno de 10%
Foto: Ilustração

Estima-se que o mercado global dessa categoria de produtos - que não recebem tratamentos ou componentes químicos - faturou US$ 60 bilhões em 2013
20/01/2014 às 10:36
G1 / A. Colman

A Organics Brasil, entidade que reúne 74 empresas brasileiras exportadoras de produtos e alimentos orgânicos, fechou o ano passado com geração de US$ 130 milhões em negócios, em meio à estabilidade registrada pelo setor no ano, com crescimento mundial em torno de 10%.
"Temos a meta quantitativa de atingir 100 empresas brasileiras no mercado internacional em 2014. Sabemos que quantidade não representa qualidade, e neste caso, vamos dar maior foco no valor agregado", afirmou Ming Liu, coordenador executivo do Projeto Organics Brasil, em nota.
"O Brasil ainda tem a imagem de fornecedor de matéria prima. Vamos investir no 'branding' dos produtos, promover interesse em inovar e melhorar o nível de empreendedorismo sustentável dos produtores, cooperativas e empresas", diz.
Segundo Liu, a prioridade é mostrar os diferenciais dos produtos orgânicos brasileiros neste ano de Copa. "Nosso país tem este potencial de trazer ao mercado suas histórias e seus produtos, que na maioria dos casos já é orgânico por natureza. No mercado internacional vemos que os consumidores valorizam os produtos dos biomas, como o açaí na Europa e nos Estados Unidos e; mais recente; a erva mate no Japão".
Estima-se que o mercado global dessa categoria de produtos - que não recebem tratamentos ou componentes químicos - faturou US$ 60 bilhões em 2013, com a adoção de medidas importantes para o setor, como os convênios de equivalências de certificações entre os mercados europeu e americano e, a partir de 2014, entre o Japão e os Estados Unidos. O Brasil está em negociação para um convênio de equivalência com o Mercado Comum Europeu, que potencializará os negócios em curto prazo.

Veja também

Borges: Estabilidade do câmbio torna país mais competitivo25/03/14 Brasília (21 de março) - O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, destacou, nesta sexta-feira, a estabilidade do câmbio como fator para a retomada das exportações brasileiras. Na avaliação do ministro, com a cotação do dólar estável entre R$ 2,30 e R$ 2,40, os empresários podem melhor......
Produção na China desafia frigoríficos brasileiros22/01/14 VALOR “Um dos mercados mais promissores para as carnes brasileiras, a China está no foco dos frigoríficos nacionais, mas produzir naquele país não é uma estratégia unânime, ao menos por ora. Enquanto......

Voltar para Blog (es)