Blog

Postado em 29 de Maio de 2014 às 10h49

BRASIL EXPORTA 6,6% MENOS EM UM ANO, MOSTRA A OCDE

Exportação (39)
SCL Consultoria e Negócios Internacionais Novo Conteúdo 01 ESTUDO MOSTRA QUE TODOS OS BRICS AMARGARAM CONTRAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES. ESTUDO TRIMESTRAL DIVULGADO NA MANHÃ DESTA TERÇA-FEIRA (27/05) MOSTRA...

ESTUDO MOSTRA QUE TODOS OS BRICS AMARGARAM CONTRAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES.

ESTUDO TRIMESTRAL DIVULGADO NA MANHÃ DESTA TERÇA-FEIRA (27/05) MOSTRA QUE AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ALCANÇARAM US$ 82,7 BILHÕES NOS TRÊS PRIMEIROS MESES DE 2014 (FOTO: GETTY IMAGES).

Apesar dos esforços do governo em tentar incentivar as exportações, o comércio exterior brasileiro recuou. Levantamento da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que compara o comércio exterior das sete maiores economias desenvolvidas do mundo (G7) e dos cinco maiores emergentes (BRICS) mostra que o Brasil foi o país onde as exportações mais caíram entre o primeiro trimestre de 2013 e igual período de 2014. Em um ano, os embarques de produtos brasileiros recuaram 6,6%.

Estudo trimestral divulgado na manhã desta terça-feira (27/05) mostra que as exportações brasileiras alcançaram US$ 82,7 bilhões nos três primeiros meses de 2014, segundo o estudo que compara valores correntes e tem ajuste sazonal. A contração registrada no Brasil foi a mais acentuada entre todos os 12 países incluídos no estudo: Alemanha, Canadá, França, Estados Unidos, Itália, Japão e Reino Unido (que formam o G7) e Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (BRICS). O segundo país com maior queda foi a África do Sul, onde os embarques caíram 5,6%.

O estudo mostra que todos os BRICS amargaram contração das exportações. Além da queda citada entre brasileiros e sul-africanos, os embarques recuaram 4,9% na Índia, 3,4% na China e 1,7% na Rússia no decorrer de um ano.

No G7, ao contrário, o comércio exterior reagiu e o aumento das exportações prevaleceu. Liderado pelo aumento de 6,4% dos embarques na Alemanha, o grupo viu avanço: alta de 5% na Itália, 2,3% nos EUA, 2,2% na França e 1,6% no Reino Unido. Entre os ricos, só Canadá e Japão tiveram queda das exportações de 3,1% e 3,5%, respectivamente.

A queda das exportações brasileiras reforça a análise dos economistas de que só o câmbio não é suficiente para reativar as exportações. Ao longo dos últimos trimestres, um dos temas mais recorrentes no discurso da equipe econômica foram as exportações. Membros do governo defenderam fortemente que o real desvalorizado aumentaria a competitividade e ajudaria produtos brasileiros no exterior.

Desde o início de 2013, a tendência defendida pelo governo se concretizou e o dólar nunca mais voltou a custar menos de R$ 2,00. Segundo dados do Banco Central, o dólar médio do primeiro trimestre de 2013 ficou em R$ 1,9957. Desde então, as cotações sempre permaneceram acima de R$ 2,00. Nos três primeiros meses de 2014 - em pleno auge da tensão causada pelo processo de normalização gradual da política monetária dos EUA, a cotação média alcançou R$ 2,3640. O valor representa alta de 18,5% ou 36 centavos. Mesmo assim, as exportações não reagiram positivamente.

Trimestre
O levantamento da OCDE mostra ainda outro dado que pode ser preocupante para o Brasil. Na comparação dos últimos três meses de 2013 com o primeiro trimestre deste ano, a China registrou o pior desempenho entre o G7 e BRICS: queda de 7,3% nas exportações. O país asiático é um grande destino dos produtos brasileiros e a desaceleração da economia chinesa pode prejudicar a atividade econômica doméstica.

Na comparação trimestral, as exportações dos demais emergentes também caíram e tiveram contração de 2,9% no Brasil, 4,3% na África do Sul, 3% na Índia e 2,8% na Rússia. A desaceleração também atingiu os países ricos. Nessa mesma base de comparação, as exportações caíram 4,3% no Reino Unido, -3,5% no Japão (outro país que tem tentado alavancar exportações com câmbio), -2,9% no Canadá, -1,3% nos Estados Unidos e cederam 0,1% na França. Os embarques aumentaram apenas na Alemanha (+2,1%) e Itália (+1,5%).

fonte: http://epocanegocios.globo.com/Informacao/Resultados/noticia/2014/05/brasil-exporta-66-menos-em-um-ano-mostra-ocde.html

Veja também

Avicultura espera semestre melhor para compensar ano morno 08/07/14 São Paulo- A indústria de aves do Brasil dependerá de um bom desempenho no segundo semestre para atingir suas projeções de crescimento para 2014, depois de um primeiro semestre marcado por um consumo mais moderado que o inicialmente previsto, disseram analistas e especialistas. O aumento das exportações no semestre foi inferior a 1 por cento, ante previsão......
EXPORTAÇÃO AOS PAÍSES ÁRABES CRESCEU 5% EM JUNHO14/07/14 Vendas à região avançaram pela primeira vez no ano e renderam mais de US$ 1 bilhão. Desempenho foi influenciado pelo açúcar, minério de ferro e produtos químicos. As exportações......

Voltar para Blog (pt)