Blog

Postado em 26 de Dezembro de 2013 às 14h59

China deve crescer 7,6% em 2013, diz relatório do governo

  • SCL Consultoria e Negócios Internacionais -

SÃO PAULO - A economia chinesa deve crescer 7,6% em 2013, ligeiramente abaixo dos 7,7% registrados em 2012, de acordo com relatório do Conselho de Estado do país divulgado pela agência de notícias oficial Xinhua.
O documento se refere à avaliação do 12º plano quinquenal do país, relativo ao intervalo 2011-2015 e foi apresentado pelo Gabinete na reunião semestral da Comissão permanente do Congresso Nacional do Povo. O governo avalia que o crescimento econômico tem sido maior do que o esperado desde 2011, embora haja uma tendência de diminuição.
O plano quinquenal fixou uma meta de crescimento econômico anual de 7% entre 2011 e 2015. No primeiro ano, a expansão foi de 9,3%. Em 2012, de 7,7% e, na primeira metade de 2013, de 7,6%.
"Não podemos negar uma pressão de queda no crescimento econômico, disse aos congressistas Xu Shaoshi, ministro encarregado da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reformas. Ele acrescentou que existem incertezas sobre a recuperação econômica global e que os mercados internacionais não estão com a demanda aquecida. Dentro da China, ele citou, os maiores custos trabalhistas e ambientais criam desafios para o padrão tradicional de crescimento.
Outros obstáculos listados pelo ministro foram o aumento dos riscos na dívida pública e o excesso de capacidade instaladas, que resultaram de investimentos desenfreados do governo em projetos industriais. O grande investimento em projetos de infra-estrutura de baixa lucratividade, indústrias com excesso de capacidade e projetos imobiliários reduziu a liquidez e a eficiência, disse Xu.
O relatório também elencou outros desafios, incluindo a reestruturação econômica lenta, o agravamento da poluição e conflitos sociais entre grupos de interesses diferentes.
O Conselho de Estado disse que a solução é uma reforma abrangente em vários setores, para aproveitar o papel decisivo do mercado na alocação de recursos e para melhorar o desempenho do governo.
Para evitar grandes flutuações econômicas, a China promete aumentar ainda mais a flexibilidade das taxas de juro e coordenar as políticas fiscal, industrial, monetária, ambiental e de uso da terra, diz o relatório, e lidar cuidadosamente com a dívida pública, assegurando as necessidades razoáveis de liquidez.
O governo vai continuar a cortar o excesso de capacidade em setores como aço, cimento, alumínio eletrolítico, vidro e construção naval e parar a expansão dos grandes consumidores de energia e grandes poluidores.
Para equilibrar o desenvolvimento das regiões , o governo prometeu trabalhar para remover as barreiras de mercado dentro do país e reformar os serviços públicos que estão vinculados ao registro do local de residência.

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/internacional/3379814/china-deve-crescer-76-em-2013-diz-relatorio-do-governo#ixzz2oaMfNCJw

Veja também

Evento de lançamento do projeto Comex em Pauta da Acic Chapecó05/06/18 A SCL CONTRADE esteve presente no evento de lançamento do programa Comex em Pauta realizado em Chapecó no dia 04 de junho. Iniciativa do Núcleo de Comércio Exterior e Logística Internacional da Acic Chapecó, nesta edição em parceria com a Unoesc Chapecó e Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX) da Apex-Brasil. O evento contou com a palestra do coordenador da EEN Brasil/IBICT, Senhor Márcio Canedo....
Venezuela desacelera e PIB cresce só 1,1%28/11/13 De São Paulo A economia venezuelana cresceu 1,1% no terceiro trimestre do ano, dado que reforça a grande desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. Segundo o Banco Central do país, o PIB nos nove......
Secex revisa antidumping a importações de eletrodos07/04/14 Por Luci Ribeiro A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Secex/MDIC) decidiu iniciar revisão de direito antidumping aplicado às importações......

Voltar para Blog (pt)