Blog

Postado em 30 de Abril de 2014 às 15h28

MDIC simplificará utilização do drawback

Exportação (39)Importação (25)
SCL Consultoria e Negócios Internacionais Novo Conteúdo 01 Rio de Janeiro-RJ (29 de abril) – “Durante abertura do Seminário de Operações de Comércio Exterior, realizado hoje, na sede da...

Rio de Janeiro-RJ (29 de abril) – “Durante abertura do Seminário de Operações de Comércio Exterior, realizado hoje, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), o diretor do Departamento de Operações de Comércio Exterior (Decex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Renato Agostinho, anunciou duas medidas de simplificação para a utilização do regime drawback, que permite a desoneração de tributos nas importações ou compras domésticas de insumos usados na fabricação de produtos exportados.
A primeira é o lançamento de um sistema eletrônico para o processamento do drawback isenção, mecanismo aplicado na reposição de insumos que foram anteriormente utilizados na produção de bens já exportados. “Esta é a última operação, relacionada ao Decex, que é feita ainda por papel. Com o lançamento do sistema, no segundo semestre deste ano, poremos fim ao uso do papel e todas as operações serão realizadas de forma digital”, disse o diretor. No ano passado, US$ 8 bilhões foram exportados ao amparo do regime drawback isenção.
Outra medida prevista para breve é a edição de uma portaria conjunta da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do MDIC com a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) do Ministério da Fazenda, que tratará da questão da fungibilidade das mercadorias relacionadas à concessão de drawback. “Esta medida é importante para eliminar a necessidade de segregação nos estoques dos insumos pelo exportador, o que representa hoje um custo que pode ser dispensado com regras mais claras para a administração do regime”, explicou Agostinho.
O diretor informou ainda que, atualmente, 80% das anuências às exportações brasileiras são realizadas automaticamente, sem a necessidade de análises adicionais, o que permite prazos expeditos nas operações. Ele também comentou sobre os benefícios previstos com o lançamento do Portal Único de Comércio Exterior, anunciado na semana passada. Para Agostinho, o portal representa “uma nova fase para as operações comerciais e foi elaborado segundo as demandas do setor privado brasileiro” afirmou.
Este ano, a Secex organizou uma agenda mensal de Seminários de Operações de Comércio Exterior em diversas capitais brasileiras. Nos eventos, são realizadas palestras sobre temas de interesse dos operadores comerciais, como: controle administrativo, licenças de importação e regimes de drawback. Além das palestras, são realizados despachos executivos, com atendimentos a casos específicos sobre operações de drawback, contingenciamento, similaridade e importação de material usado. Estes atendimentos devem ser agendados com antecedência.”

fonte : http://www.mdic.gov.br/sitio/interna/noticia.php?area=5¬icia=13134

Veja também

Avicultura espera semestre melhor para compensar ano morno 08/07/14 São Paulo- A indústria de aves do Brasil dependerá de um bom desempenho no segundo semestre para atingir suas projeções de crescimento para 2014, depois de um primeiro semestre marcado por um consumo mais moderado que o inicialmente previsto, disseram analistas e especialistas. O aumento das exportações no semestre foi inferior a 1 por cento, ante previsão......
Carne: Brasil quer exportar mais 1 milhão de toneladas17/02/14 Associações de exportadores e governo querem abrir novos mercados e ampliar as vendas externas atuais em 17,7% As associações brasileiras de exportadores de carne bovina, de frango e suína irão trabalhar......

Voltar para Blog (pt)